Considerações sobre a sistematização do Reiki Usui

Considerações sobre a sistematização do Reiki Usui

Compartilho esta explicação sobre o Reiki que me chegou inspirada pelo meu Eu Superior em um momento muito oportuno, para apaziguar os corações inquietos e as mentes curiosas daquelas pessoas que insistem muitas vezes em encaixotar o conhecimento e cristalizá-lo, para preservar muitos dos ensinamentos da forma exata como foram concebidos, sem dar-lhes a condição de evoluir por si sós e ganhar novas esferas, passando a vibrar no Eu Sou, para que este realize as curas e emanações sem os limites e as barreiras que a própria alma humana acaba por criar.

A sistematização é necessária, por vezes, para dar início a um processo, mas que tende a ganhar asas e evoluir por si só.

O que explico aqui é para que compreendam que não apenas o Reiki, mas inúmeras outras técnicas, ou terapias holísticas, são concebidas inicialmente para dar um início, um primeiro passo para que a humanidade possa dar-se conta da divindade que habita em si e fazer valer justamente esse nome, aprimorando os movimentos e criando, com a sua capacidade infinita, novas e melhores formas de aplicar o conhecimento em benefício da própria humanidade.

Estejam abertos ao novo, sempre.

Queridos, o Reiki simplesmente é. Ele é o que é. Uma energia sutil e divina, abundante em todo o Universo, presente em todos os planos de vibração, disponível para a utilização do ser humano como divindade da forma que melhor puder lhe servir, a qualquer tempo, em qualquer lugar.

A sistematização do Reiki leva em consideração padrões humanos que correspondem à sua própria capacidade e limitação de compreender e utilizar a energia universal. O Reiki será ou não limitado conforme a própria capacidade da mente humana ou crenças que venha a criar.

Quanto aos 21 dias de aplicação do Reiki e de intervalo para a iniciação em um novo nível

Os 21 dias são uma métrica, uma medida de tempo convencional ou referencial, para que a mente humana possa compreender a importância de se autoaplicar e dedicar a si mesma esse tempo pré-condicionado ou estabelecido pelos próprios seres humanos que precisam ainda se disciplinar e ter força de vontade para seguir adiante e aplicar o conhecimento primeiro em si mesmo antes de aplicar no outro.

O Reikiano deve compreender que a fonte da energia é divina e inesgotável e a autoaplicação e limpeza com o Reiki vão além dos 21 dias, pois todos os dias são oportunidades divinas de se autoaplicar, de se autoamar, de limpar suas ferias e curar as mazelas que inundam sua alma em razão das próprias limitações de tempo e das barreiras mentais que insiste em se impor mentalmente.

Em determinado momento fui questionado por realizar cursos e iniciações em Reiki, ensinando em um mesmo dia os Níveis I e II, sem dar um intervalo de 21 dias entre eles. Queridos, 21 dias são todos os dias. Os Níveis I e II concedem ao Reikiano ferramentas muito importantes para que os “21 dias” que sucedem a iniciação possam lhe proporcionar a melhor limpeza, a melhor cura, o melhor momento de autoamor e cuidado consigo mesmo, tratando os níveis físico, emocional e mental, juntos.

Os Níveis I, II, III-A e III-B foram inicialmente criados e sistematizados dentro de um contexto social e cultural, conforme o propósito inicial de Mikao Usui, e foi isso que ele nos deixou como legado. Como tudo está em movimento e o contexto atual da humanidade exige que os seres humanos “saiam da caixinha” e realizem o plano divino expresso em cada um como propósito de vida, é necessário a todos se permitirem ouvir seu Eu Superior, que move todos a serem questionadores dos padrões racionais, para que a humanidade saia da caixinha em que colocou a si mesma, a fim de que possa despertar para um novo mundo, onde a própria humanidade compreenda que as sistematizações são mais métodos didáticos do que regras rígidas e imutáveis.

Permitamo-nos ouvir a voz do silêncio, sem a dureza e rigidez dos costumes rígidos e que, de fato, tendem a engessar nosso processo evolutivo e curativo. Sejamos flexíveis para compreendermo-nos como seres humanos divinos, que expressam em si a própria divindade. Para a divindade não há limites. Os limites estão unicamente nas mentes de cada pessoa que tende e insiste em criá-los constantemente.

Libertem-se das limitações, tradições rígidas e que tolhem a liberdade da própria divindade que habita em você! Permita-a se expressar através dos seus pensamentos, sentimentos e ações. Utilize da energia vital e divina do Amor-Sabedoria para criar, curar-se e proporcionar a melhor cura que a humanidade precisa neste momento.

Fiquem em paz!
Fernando Vidya

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

Solicite seu livro autografado!

Clique na imagem e saiba mais.

Fechar Menu